Entre Sonhos e Sorrisos...

Entre Sonhos e Sorrisos...
"Vou-me "vestindo" da vida enquanto ela se vai "despindo" de mim..."

sábado, 26 de setembro de 2009

Como o rio corre para o mar...


Como o rio corre para o mar
Eu corro para a vida
Atrás de mim… atrás de ti
Atrás do que sonho alcançar
Atrás até do que ainda não cheguei a sonhar.

Como ele abro caminho
Quase sempre sozinho
Por entre rochas e rochedos
Por entre pessoas e medos…

Como o rio corre para o mar
Levo comigo parte por onde passo
Deixo para trás parte de mim que passou
Persigo o sonho de desbravar
O que nenhum outro desbravou…

Como ele um incompreendido
Neste mundo dito normal
Por vezes sinto-me perdido
Não encontro o meu igual…

Continuo… sigo caminho
Sempre em busca do meu mar…
Para enfim desaguar…
Continuo… sigo em frente
Até descobrir minha foz
Até me reconhecer em alguém
Que também se sinta ninguém
Se descubra em mim e comigo faça um “nós”.


Texto por Isabel Reis

Foto por Nuno Sousa Tavares
todos os direitos reservados

Anjo de asas caídas...


Anjo de asas caídas
Que me cobres com teu manto
Que me secas as lágrimas com um sorriso
Que me acodes neste pranto…

Anjo de asas caídas
Que chegaste sem te fazer notar
Que te instalaste sem te fazer sentir
Que vieste para ficar…

Anjo de asas soltas
Preso no teu próprio enfadamento
Olhas o horizonte sonhas o mundo
Vives de sonho e encantamento…

Anjo de asas caídas
Que de longe me fazes sorrir
Que de longe me impedes de chorar
Que de longe me tocas sem tão pouco me chegar.

Anjo que te quero
Sentir bem perto de mim
Anjo que te quero
Do meu lado até ao fim…


Foto e texto por Isabel Reis (26/09/09
)
todos os direitos reservados

Só para dizer que...


Só para dizer que...
...estou a pensar em ti incansávelmente
no teu olhar
no teu sorriso
no teu carinho
na tua doçura escondida...

Só para dizer que...
...estou a gostar de ti terrivelmente
desse teu jeito de ser
dessa forma de sorrir...
sim... desse teu sorrir...
a forma como sorris ao falar
a forma como sorris em pensamentos
a forma como sorris com teu olhar...
ai esse teu sorrir...
esse teu sorrir de tão belo que até doi...

Só para dizer que...
...mesmo sendo algo efémero
até mesmo platónico
e que se perca nos meandros da vida
valeu e vale a pena a cada segundo que passa
cada segundo que ganho ao recordar-me de ti
porque recordar-me de ti faz-me feliz
e se não for por mais nada só por isso já vale a pena...

Só para dizer que...
...pediste-me para confiar e eu confio
aliás se existem pessoas que me transmitem confiança
tu és seguramente uma delas...

Por tudo isso e muito mais quero apenas dizer que...
...aconteça o que acontecer já foi inesquecivel
aconteça o que acontecer já foi inigualável...

Texto e foto por Isabel Reis
todos os direitos reservados

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Seguir em frente...

Seguir em frente
Começar de novo
Mas por onde? Como?
Quantos de nós já nos perguntamos o mesmo…
Quando um ciclo se fecha
Quando algo chega ao fim sem darmos conta
Quando somos apanhados na avalanche da vida
Na roda-viva que não pára de nos surpreender
Quantos de nós já ficamos perdidos… sem saber o que fazer.
Por isso é fácil ouvir alguém chorar e dizer
- Esquece… não vale a pena chorar… não vale a pena sofrer
Mas ninguém se lembra do quanto dói… a não ser quando o está a viver…
E a gente olha à volta e pensa…
E agora que faço?
Por onde recomeço?
Em quem confio?
A gente olha à volta e não reconhece ninguém
Não se enquadra em nada
Sítio nenhum parece ser o certo para estar
Qualquer espaço aberto parece sufocar…
E então sem saber como… damos connosco em lugar nenhum
Deambulamos pelas ruelas da vida sem saber onde parar
Vagabundeamos pelos cantos… perdidos… esquecidos…
De vez em quando lá cruzamos o caminho de alguém
Alguém que nos reconhece e pergunta como estamos
E aí na solidão… na falta do abraço de sempre…
Aquele que nos amparava em qualquer momento
Aquele nos deitava para dormir…
E aí na solidão… na falta de um carinho… de um calor humano
Que nos relembre que estamos vivos
Que somos gente que sangra e sofre…
O sofrimento é demais para aguentar
Gritamos tudo que teimamos em calar
Gritamos o sufoco da dor que nos consome
Por vezes sem lembrar quem está a ouvir
Apenas para ouvir alguém… para sentir alguém
Para nos iludirmos brevemente… na ilusão de que não estamos sós…
E aí ouvimos o de sempre… o de quem não sabe o que dizer…
O de quem não tem noção da dimensão… da dor que nos corrói até às entranhas…
- Esquece… não vale a pena chorar… não vale a pena sofrer…
- Segue em frente com a vida e verás que tudo volta a acontecer
Mas quem quer pensar num novo começo
Quando ainda não aceitou que houve um fim
Quando ainda espera o dia que o amor fale mais alto
Que a vida traga de volta o que nos roubou…
Que a vida retome o seu caminho… os planos traçados… os sonhos sonhados…Que a vida devolva ao leito o amor que nos sufoca o peito.



Texto e foto por:
Isabel Reis
todos os direitos reservados